A morte de Eduardo Campos e a nossa vida

Julio Cezar de Oliveira Gomes Graduado em História e em Direito, ambos pela UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz.
Julio Cezar de Oliveira Gomes
Graduado em História e em Direito, ambos pela UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz.

Desta vez, não se escreverá sobre o trágico acidente de avião que no dia 13/08/2014 vitimou o candidato à Presidência da República, Eduardo Campos, e mais seis outras pessoas, fazendo um enfoque político desta ocorrência. Absolutamente, não.

A este respeito há exaustivas análises de conceituados articulistas políticos, mais atualizados e certamente mais capacitados do que eu para fazê-lo.

Queremos aqui chamar a atenção para a riqueza, transitoriedade e fugacidade do fenômeno chamado vida humana.
De fato, causa no mínimo surpresa que um homem cheio de poder político e econômico, no centro das atenções do momento eleitoral em que o Brasil vive, possa ter sido colhido por tamanha fatalidade, pois não cogito, aqui, a hipótese de atentado, de crime doloso contra a vida.

Campos e sua equipe viajavam em um avião novo, moderno e extremamente seguro. Movido por duas potentes turbinas, poderia se manter em voo e sob controle mesmo que uma delas parasse de funcionar. Os pilotos tinham mais de vinte anos de experiência em voos comerciais, e um deles formou-se nos EUA, pressupondo sólida formação teórica.
O voo previsto era curto, e as condições atmosféricas poderiam ser consideradas, senão excelentes, normais.
Entretanto, ocorre o imponderável, o imprevisível, o inafastável: com base nos relatos das pessoas que testemunharam a queda do avião, a aeronave pega fogo em pleno voo, perde altitude e mergulha sobre a selva urbana da cidade de Santos, São Paulo, matando todos os seus sete ocupantes.

A vida é, efetivamente, assim: Achamos que estamos no comando, que controlamos tudo, que faremos isto e aquilo e que temos todos os poderes. Mas não temos. Poderemos viver até os cem anos tanto quanto poderemos morrer hoje mesmo. E nossas possibilidades, apesar do emprego da melhor técnica, das eventuais facilidades políticas, do poderio econômico, podem se espatifar a qualquer momento, colocando na mesma situação final tanto ao potencial Presidente da República quanto ao simples fotógrafo a bordo da aeronave chamada vida.

Em momentos como este, impossível não lembrarmos das palavras de Jesus, citadas pelo evangelista Thiago:
“Atendei, agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã, iremos para tal cidade, e lá passaremos um ano, e negociaremos, e teremos lucros. Vós não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa. Em vez disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, não só viveremos, como também faremos isto ou aquilo. (Tiago 4:13 – 15)”

Eu que não sou pastor nem padre, que não tenho a sabedoria dos bibliófilos, limito-me a formular as coisas da seguinte forma: Quando Deus chama, não tem “nextante” nem “peraí”, não tem “já vô”, nem mesmo “tô indo”. Há apenas um já fui que sequer será dito por nós, tamanha a imperatividade da vontade divina.
A morte de Eduardo Campos nos mostra, inequivocamente, a imensa fragilidade da vida, mesmo quando não conseguimos percebê-la; e nos conclama a realizarmos hoje, da melhor forma possível, aquilo que podemos, enquanto podemos.
O mais é somente com Deus.

Julio Cezar de Oliveira Gomes
Graduado em História e em Direito, ambos pela UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz.

Comentários

Mais notícias

Pesquisas e realidade

Por Agenor Gasparetto Na primeira eleição de Wagner, há oito anos, o IBOPE dava vitória de Paulo Souto no Sábado à noite, véspera do dia da eleição. No dia seguinte, vitória de Jacques Wagner ainda no Primeiro Turno. Neste último … Continua

Azevedo, persona non grata?

Por Eric Souza No plano regional, a imagem que está correndo a Internet, as redes sociais e os maiores sites de notícias da região é a do prefeito da capital baiana, ACM Neto, de costas para o ex-prefeito de Itabuna … Continua

Não precisamos de uma marionete!

Por Antonio Nunes de Souza* Em nenhuma hipótese minha intenção é de desmoralizar denegrindo a candidata Marina, pois, sabemos todos, que ela tem boas intenções, deixa transparecer uma imagem de pureza, muitas vezes até de inocência, achando que, governar e … Continua

Mais Notícias