45% dos brasileiros pedem empréstimo para pagar dívidas

Infelizmente o número de brasileiros com o nome sujo no SPC – Serviço de Proteção ao Crédito, em novembro de 2018 atingiu a incrível marca de 63 milhões de pessoas, segundo um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas – CNDL, em boletim divulgado no dia 10 de dezembro.

A crise econômica é a causa principal para estes números, uma vez que os índices de desemprego e a queda do orçamento familiar em função das baixas rendas, levaram milhões de pessoas a buscar um complemento para seus salários através do cartão de crédito, cheque especial e outras opções do mercado financeiro, assumindo dívidas e compromissos na expectativa de dias melhores e do recebimento da parcela do décimo terceiro salário.

A melhora da economia vem acontecendo, mas, de forma lenta. No entanto, os resultados ainda não refletiram na população assalariada e no mercado de empregos, ocasionando ainda muitos problemas de inadimplência na população.

As dívidas são, sem dúvida, um dos maiores problemas na vida do brasileiro, pois, as cobranças não param de chegar e a falta de perspectivas de como saldá-las leva o devedor ao desânimo, repercutindo no ambiente onde convive.

Na iminência de não conseguir organizar as finanças de maneiras mais “saudáveis”, como reduzindo os gastos e promovendo a reeducação financeira da família, muitos brasileiros buscam empréstimos para pagar suas dívidas. A ideia é saldar todos os compromissos em atraso e, através de um único empréstimo conseguir estabilizar a situação.

A ideia é boa, mas pode ser ainda melhor se a busca a solução encontrada não acarretar em outros débitos. Para isso, é importante contar com uma solução financeira mais viável e muito menos custosa, com taxas de juros mais baixas e mais prazo para pagar.

 

Planejando e restabelecendo o crédito

 

Do total de empréstimos realizados no país, 45%, ou seja, quase a metade destes, são realizados para o pagamento de dívidas. Portanto, muitos brasileiros estão eliminando dívidas antigas com altas taxas de juros por uma única despesa mensal, onde os juros são menores, o que consequentemente restabelece o crédito do devedor no mercado.

Além do crédito restabelecido, é possível, a partir de um controle da situação, planejar o futuro, uma vez que os juros acumulados, as taxas e multas foram estancadas, e a dívida controlada.

Mas, é preciso tomar cuidado. Nem toda oferta de crédito tem taxas que valham a pena e o problema pode ficar ainda maior, quando os valores cobrados pelas operadoras são maiores dos que os cobrados pelas dívidas.

Como fazer o planejamento e pagar as dívidas?

Uma ótima ideia para iniciar um plano para resolver o problema das dívidas, é relacionar todos os compromissos mensais com pagamentos, sejam eles mensalidades, dívidas acumuladas no cartão de crédito, cheque especial, empréstimos e outras despesas.

Não esqueça das despesas como telefone, energia elétrica, água, aluguel, TV a cabo, escola, academia e clube. Levante todas as dívidas acumuladas com os bancos, empréstimos e terceiros.

A partir deste levantamento você terá dois dados importantes:

       Valor mensal destinado à manutenção da sua casa;

       Valor de todas as despesas extras que podem ser diminuídas ou cortadas.

 

Qual o próximo passo para quitar suas dívidas?

 

A fórmula ideal para resolver esta situação é promover um equilíbrio entre receitas e despesas.

Caso isto não aconteça, é necessário o corte de despesas que não são fundamentais para a sobrevivência e o aumento dos valores a receber buscando renda extra. Lembre-se que estas medidas são as mesmas adotadas pelas empresas e pelo governo, afinal, não há como sobreviver quando as despesas são maiores que as receitas.

Já para eliminar os juros, taxas e multas que estão corroendo seu dinheiro, uma excelente opção é buscar um empréstimo com taxas menores, que caiba dentro do orçamento para pagar todas as dívidas em aberto. Um modelo de empréstimo que vem ao encontro das necessidades de quem precisa captar um dinheiro para saldar dívidas com juros abusivos é  o empréstimo com garantia de imóvel. Ao receber um bem como garantia do empréstimo os bancos conseguem praticar menores taxas de juros.

Vale dizer que antes de contratar o primeiro empréstimo que surgir é importante avaliar as opções para encontrar a melhor solução. Para isso, é indicado fazer uma simulação de empréstimo pessoal online para encontrar a melhor opção em termos de taxas e condições de pagamento e assim conseguir resolver o problema.

 

Comentários

Mais notícias

Mais Notícias