Confrontando perdas

JULIANASOLEDADE
Juliana Soledade é empresária, graduanda de Direito e teologia, autora do livro ‘Despedidas de Mim’ e edita o site www.irreverenciabaiana.com

Os últimos dias foram, no mínimo, dolorosos por demais para nós brasileiros, leitores ou escritores. Em dias sequenciais perdemos três nomes importantíssimos da nossa literatura, o baiano João Ubaldo disse adeus sem muita conversa, logo em seguida Rubem Alves silenciosamente foi se despedindo, e agora, menos de uma semana de dois nomes relevantes terem partido, um personagem marcante e encantador saudou os céus, o Ariano Suassuna.

Esse comunicado já seria angustiante de qualquer modo, porém, o desprezo nos canais de televisão foi desastroso.

No domingo, dia 20, esperei um documentário mesmo que breve sobre Rubem Alves, no Fantástico, sobre o seu leque de informações e conteúdos durante a sua vida. Uma biografia que compõe uma média de 150 livros publicados, e é referencia em diversas áreas. O programa em determinado momento, anunciou o luto, um mínimo reconhecimento já me acalentava a respeito do educador, teólogo, e pensador contemporâneo [que não é a ‘Valeska Popozuda’], contudo, a menção foi para o falecimento de Norberto Odebrecht, fundador daquela construtora que leva o seu nome. Concedo-me o direito de imaginar que se acaso ele não fosse um escritor e estudioso, mas sim, um cantor de ‘modinha’, teriam concedido não uma nota, e sim, um bloco inteiro, principalmente se for com hits de duplos sentidos e deploráveis.

Sinceramente, eu me ponho a confraternizar mais uma vez com os meus pensamentos libertos: qual a nossa expectativa diante uma mídia que deixa claro maior importância aos empreiteiros do que aos educadores? A imparcialidade perante a morte de Rubem Alves é antagonicamente proporcional sobre a importância concedida à educação no país. Não é rentável e não tem ibope.

Meu doce e educado R. Alves, assim como você, sou apaixonada por ‘Ipê amarelo’, não tenho na frente de minha casa, mas tenho bem perto de mim, na minha infância tinha sim um “balanço numa linda paineira”, semelhante ao seu.

O nosso baiano João Ubaldo Ribeiro foi mais sortudo, fizeram uma reportagem incontestável sobre a sua personalidade. Mesmo assim, mais se falou o quanto era estimado pelos amigos de bar do que falando sobre as suas obras. No entanto, o mais importante, é que ele foi lembrado.

Não deu tempo de retirar o luto do corpo, e Suassuna nos dá uma rasteira grande. O noticiário de sua morte me fez desaguar em choro, uma alma humana que me inspirou lirismo, e fez encantar a todos nós. A emissora tentou se retratar do furo passado e exibiu aquele filme contagiante ‘O auto da compadecida’. Hoje, de certo, “estará numa linda cadeira de balanço de palhinha, contando, todo elegante, uma mesma linda história para nós”.

Estamos órfãos e capengas, por favor, segure Adélia, João, Rubem. Amarre Cecília, Chico e Luís. Apertem os cintos de Paulo, Martha e Fabrício. Conservem os nossos, eternizem todos.

Comentários

Mais notícias

Pesquisas e realidade

Por Agenor Gasparetto Na primeira eleição de Wagner, há oito anos, o IBOPE dava vitória de Paulo Souto no Sábado à noite, véspera do dia da eleição. No dia seguinte, vitória de Jacques Wagner ainda no Primeiro Turno. Neste último … Continua

Azevedo, persona non grata?

Por Eric Souza No plano regional, a imagem que está correndo a Internet, as redes sociais e os maiores sites de notícias da região é a do prefeito da capital baiana, ACM Neto, de costas para o ex-prefeito de Itabuna … Continua

Não precisamos de uma marionete!

Por Antonio Nunes de Souza* Em nenhuma hipótese minha intenção é de desmoralizar denegrindo a candidata Marina, pois, sabemos todos, que ela tem boas intenções, deixa transparecer uma imagem de pureza, muitas vezes até de inocência, achando que, governar e … Continua

Mais Notícias