Dilma Rousseff, em busca de uma redenção nas urnas em Minas Gerais

Quase dois anos depois de ser destituída da presidência da República por meio de um impeachment, Dilma Rousseff volta à cena político-eleitoral. A petista anunciou sua pré-candidatura ao Senado pelo seu Estado natal, Minas Gerais. Após meses de especulação, a confirmação de que a ex-presidenta buscará uma redenção —e um novo rumo político— nas urnas, com o incentivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba, se deve a uma série de fatores, entre eles o desejo de ter um palco para defender suas ideias e confrontar as agendas dos Governos petistas (2003-2016) e a de seus principais adversários, o PSDB e seus satélites (1995-2002).

Seu principal adversário ao Senado pode ser Aécio Neves, o mesmo que disputou com ela, e perdeu, a Presidência em 2014. Se a candidatura do tucano é incerta por causa dos escândalos de corrupção que o envolvem – nem mesmo seus aliados o querem no mesmo palanque —, a dela também pode sofrer alguns questionamentos jurídicos. É que Dilma só conseguiu manter seus direitos políticos após costurar uma manobra no Senado Federal que a cassou. A primeira batalha já foi anunciada. O PSDB de Minas Gerais tentará evitar que ela seja candidata por entender que, por ter sofrido impeachment, ela teria seus direitos políticos cassados. Quando a petista foi destituída, o Senado votou uma cláusula que mantinha o direito da ex-presidenta de concorrer, desde que não fosse para o cargo máximo da República. Ou seja, os senadores a liberaram para disputar vagas no Congresso Nacional. Os tucanos dizem que, se o Ministério Público Eleitoral não impugnar a candidatura dela, o próprio PSDB o fará.

Comentários

Mais notícias

Mais Notícias