Escola pública de trânsito será autorizada nesta terça

EMTRAN DE ITABUNA
Foto: Divulgação

O pedido de autorização para a escola pública de trânsito de Itabuna será atendido, conforme informou secretário da Casa Civil da Bahia, Rui Costa.

De acordo com o secretário, é provável que a autorização para o funcionamento da escola seja atendido na próxima terça-feira 05/11, quando o governador Jaques Wagner estará em Itabuna.

O objetivo do projeto é atender às pessoas mais carentes que atualmente não tem condições de tirar a primeira Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A escola funcionará no anexo da Secretaria de Transporte e Trânsito (Settran), localizado no antigo aeroporto, no bairro Lomanto. As aulas teóricas, práticas e a realização dos exames clínicos e psicológicos serão gratuitos. Apenas o laudo não será disponibilizado gratuitamente.

A autorização da autoescola gratuita é uma solicitação da deputada Ângela Souza, do secretário do Transporte e Trânsito (Settran), Clodovil Soares e do prefeito Claudevane Leite.

Comentários

Mais notícias

Irritado, dirigente do PSB para políticas LGBT, deixa campanha de Marina

Alteração nas propostas para comunidade LGBT leva coordenador a abandonar campanha
Alteração nas propostas para comunidade LGBT leva coordenador a abandonar campanha

Irritado com o recuo no programa de governo voltado à população LGBT da candidata à presidência pelo PSB, Marina Silva, o secretário nacional do segmento do partido, Luciano Freitas, deixou a coordenação da campanha. A saída do dirigente é a terceira baixa da campanha desde que Marina assumiu a cabeça de chapa, há duas semanas.

As primeiras defecções foram do secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira, e do integrante da Executiva, Milton Coelho.
Freitas foi surpreendido por uma nota retificando o que havia sido prometido no programa oficial em defesa dos direitos de homossexuais. Menos de 24 horas após a divulgação do programa, a campanha alegou “falha processual na editoração do texto” e tirou do documento os pontos mais polêmicos. Insatisfeito com a divulgação da errata sem consulta prévia, Freitas avisou que se dedicará à campanha de Paulo Câmara (PSB) ao governo de Pernambuco.

No sábado, 30, o segmento se reuniu com a coordenação da campanha para discutir o evento que a candidata teria com a comunidade LGBT. Participantes da reunião revelaram à reportagem que, após as manifestações do pastor Silas Malafaia e a repercussão da comunidade evangélica nas redes sociais, a candidata se viu pressionada a voltar atrás. “Criou-se um furdunço nas redes sociais e nós tememos por isso”, disse um dos participantes.

Freitas questionou a mudança no programa por pressão de setores conservadores. Ele já havia feito ressalvas a Marina na reunião da Executiva que selou sua candidatura. Na ocasião, o dirigente disse temer que a ex-ministra não seguisse o programa aprovado por Eduardo Campos, candidato do PSB ao Planalto morto no dia 13 de agosto.

As propostas apresentadas na sexta-feira, 29, seguiam integralmente as reivindicações que o PSB havia articulado com os partidos da coligação e encaminhado a Maurício Rands e Neca Setubal, coordenadores do programa de governo. “O programa estava como o PSB pensa (sobre as demandas LGBT), mas a candidata tem o direito de não assumir determinados compromissos”, disse um dirigente da cúpula do PSB. “Se o Eduardo tivesse se encontrado numa situação como esta, ele faria o diálogo, não uma errata logo de cara”, criticou um dirigente do partido.

Otávio Oliveira, que a partir de 2015 será o novo secretário nacional LGBT da legenda, substituirá Freitas. Fontes disseram que Oliveira também fez críticas ao recuo de Marina mas, assim como Freitas, considerava o programa o mais avançado.

Recuos
Um dos pontos que foram cortados do programa de Marina é o apoio ao projeto de lei 122, que equipara o crime de homofobia ao racismo, com a aplicação das mesmas penas previstas em lei. Outro recuo se refere à união entre pessoas do mesmo sexo, onde inicialmente se referia ao direito ao casamento civil.

Malafaia, que liderou uma onda de críticas ao programa de Marina na internet, disse que a defesa do casamento gay é um termo “muito forte para uma sociedade cristã”. O pastor disse que não foi o responsável pelo recuo de Marina e sim “a maioria cristã” da sociedade. “Eles (da campanha de Marina) sentiram que a dose era muito forte. E tinham de ficar apavorados mesmo (com a repercussão negativa)”, comentou.

Para o líder evangélico, Marina fez bem ao recuar. Malafaia – que na sexta-feira ameaçou fazer críticas mais duras se ela não se reposicionasse e cobrou dela a escolha entre sua fé cristã e sua ideologia política – afirmou que a campanha do PSB errou em se influenciar pelo discurso de esquerda e da comunidade gay. Em sua avaliação, os candidatos Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) foram mais comedidos em suas propostas para a comunidade LGBT. “Eles não são malucos. Se botar a cara para fora, o sarrafo vai comer”, avisou Malafaia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Rui diz que Bahia precisa ser grande polo de produção

rui

Além de considerar fundamental promover a inclusão de toda a região do semiárido no processo produtivo baiano, “até porque é uma região que ocupa dois terços do território estadual”, Rui Costa, candidato a governador pela coligação Pra Bahia Mudar Mais, reafirmou, em entrevista à TV Educadora, nesta segunda-feira (01), que seu plano de governo estabelece como principais prioridades fazer grandes investimentos em saúde, educação, segurança e na área de logística, “com obras estruturantes tanto na capital como no interior”. Na visão do candidato, a Bahia precisa se consolidar como grande polo de produção no País, continuando no caminho iniciado pelo atual governo, para tornar-se um Estado competitivo e capaz de atrair investimentos sem apelar para a guerra fiscal, “mecanismo usado anteriormente e que está ultrapassado”.

Na área da Saúde, Rui Costa destacou suas propostas de regionalizar o atendimento e dar mais agilidade à regulação, trabalhando para ampliar a oferta dos serviços médicos da rede pública, “construindo sete novos hospitais e fazendo parcerias com a rede privada e filantrópica, criando o programa Saúde Para Todos”. Na Educação, o candidato do PT reiterou seu propósito de investir no ensino em tempo integral e no aumento de vagas no ensino profissional: “Nós vamos implantar o ensino em tempo integral em pelo menos 300 escolas e aumentar para 150 mil o número de vagas nas escolas técnicas, além de fazer parcerias com empresas públicas e privadas para garantir estágio a todos os estudantes do ensino profissional, aumentando as oportunidades de emprego”.

Como parte de seus planos para a área da segurança pública, Rui Costa informou que, além de aumentar o número de policiais para 40 mil, irá implementar um programa de instalação de câmeras também nas pequenas cidades do interior e criar pelotões especiais, para dar mais eficiência à investigação e perseguição aos marginais. Quando perguntado sobre sua proposta para a área cultural, o candidato petista relacionou alguns dos itens constantes do seu programa de governo, revelando que, na sua opinião, esta é uma atividade estruturante da vida humana, “pois as pessoas se identificam entre si justamente a partir da sua cultura”. Ele disse que irá aumentar os investimentos na área cultural, criar o Circuito Cultural do Interior e ampliar e melhorar os espaços culturais, dando o exemplo do Teatro Castro Alves, em Salvador, “que nós vamos transformar num dos três maiores do País”.

Vice de Aécio diz que Marina usa ‘identidade postiça’ para ganhar votos

xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.MKYzqbQhT9

O candidato à vice-presidência da República pelo PSDB, senador Aloysio Nunes, criticou duramente a candidata Marina Silva (PSB) por usar uma “identidade postiça” para ganhar votos. “Ela improvisou uma personalidade palatável para esconder a imagem de sectarismo que sempre a caracterizou”, disse o tucano, que ainda ironizou o discurso socialista de “nova política”. “Marina demoniza Sarney, Renan e Collor. Os três apoiaram o governo Lula, do qual ela foi ministra. Eles prestavam e agora não prestam?”, questiona.

Aloysio ainda classificou os esforços de aproximação de Marina com o agronegócio de “conversão de última hora” e disse que ela quer que em algumas áreas se possa plantar e, em outras, não. “Então alguns brasileiros podem comer sementes que fazem mal à saúde, segundo a visão dela, e outros não?”, concluiu o companheiro de chapa de Aécio Neves. Nas pesquisas recentes, Marina Silva despontou como segunda colocada no primeiro turno e poderia ganhar de Dilma Rousseff na segunda etapa das eleições. Com informações do Bahia Notícias.

Mais Notícias