Homem é assassinado no bairro Califórnia

1467221_183260018544278_844625701_n

Itabuna – Um homem foi assassinado por volta das 10h da manhã desta quinta-feira, no final de linha do bairro Califórnia, próximo ao condomínio Jardim América.

Luciano Rui Santos, 27 anos, morava na Rua do Paty, no bairro São Caetano. Ele tinha um salão no bairro.

O irmão da vítima disse que ele não frequentava a região onde foi morto e suspeita que tenha sido uma emboscada.

Ele ficou preso durante 10 meses, acusado de tentar matar uma mulher no bairro Nova Califórnia.

A vítima deixa dois filhos.

Comentários

Mais notícias

Rebelião em Teixeira de Freitas deixa 13 feridos

kjgkhgj

Teixeira de Freitas  – No fim da manhã desta sexta-feira (30/01), detentos fizeram uma rebelião que durou cerca de quatro horas. Eles queimaram colchões durante briga de dois grupos rivais, situados no mesmo pavilhão. Ao menos 13 foram atingidas por pedradas e precisaram de socorro. Oito pessoas, consideradas lideranças negativas, devem ser removidas para unidades penitenciárias de outros locais.

“Foi um problema de convivência entre eles. Um grupo estava querendo assumir poder e um outro não permite. Já identificamos oito pessoas que exercem certa influência sobre os demais. Inclusive, já queríamos afastá-los essa semana e a rebelião antecipou. Eles serão removidos para outras unidades”, afirma o tenente-coronel Osiris, diretor do presídio.

A unidade pode abrigar 238 detentos, no entanto, mais de 600 ocupam o local.

Policial militar da Bahia explica processo de identificação de tatuagens em criminosos

1422568741AY1C4406

Imagens quase sempre associadas ao mundo da infância são usadas pelo crime como estratégia de comunicação entre gangues. Tatuagens de duendes, palhaços, anjos, magos, e de personagens infantis como o ‘Saci-Pererê’, ‘Diabo da Tasmânia’, ‘Papa-léguas’, ‘Snoop’, entre vários outros, estão estampadas na pele de criminosos dentro e fora dos presídios brasileiros.

Um estudo sobre esses símbolos revelou que muitas das imagens são identificação de patente, organização criminosa e crimes. Como resultado do trabalho coordenado há aproximadamente dez anos pelo capitão do Batalhão Especializado em Policiamento de Eventos, Alden José Lázaro da Silva, da Polícia Militar da Bahia, foi elaborada uma cartilha com 36 tipos de tatuagens associadas a crimes específicos, que já começou a ser usada pela PM no combate à violência.

“A cartilha de orientação de tatuagens é mais uma ferramenta usada no cotidiano da atividade policial para ajudar a nortear as investigações de crimes. Muitas estão associadas a organizações criminosas como o Primeiro Comando da Capital (PCC), os Caveiras e o Comando da Paz. Isso não significa que quem tiver qualquer tatuagem será abordado. Os determinados tipos de tatuagem encontrados nos presos e a parte do corpo onde foram colocados servirão de alerta, mas as investigações acontecerão caso a gente identifique outros indícios”, explica o capitão.

1422565532coringa_copy

Lenda urbana

A cartilha de orientação de tatuagens foi construída com base em investigação policial. “Deparávamos frequentemente com a incidência de certos tipos de tatuagens. Após investigações, a gente conseguia eventualmente ligar alguns dos símbolos a crimes relacionados. Isso se tornou cada vez mais frequente nas conversas entre policiais civis, militares e federais. Tinha virado praticamente uma lenda urbana”, diz o capitão Alden da Silva.

A partir de alguns documentos e fotos coletados pelo PM, foi possível levantar inúmeras hipóteses. Cruzando dados de inquérito policial e processos, o trabalho da polícia foi se confirmando, recorda o capitão.   “O foco principal da pesquisa foram crimes praticados contra o patrimônio e contra a vida [roubo, furto, homicídio e latrocínios]. Juntamos quase 45 mil documentos. Com isso, vimos que a suspeita tinha fundamento. Eles tinham cometidos os mesmos tipos de crimes”, garante.

A segunda etapa da investigação teve como metodologia visita a presídios e casas de detenção. Foram avaliados os ambientes prisionais da Bahia. “Começamos a fazer um levantamento de quantos presos tinham tatuagens, quais eram e se nesse universo existiam os mesmos padrões encontrados nas delegacias. Mais uma vez tudo se confirmou”, disse.

Com o novo conteúdo obtido, outro cruzamento de dados foi feito e, segundo o policial, as imagens batiam com as tipificações dos crimes. De acordo com ele, os magos e duendes são comuns em traficantes de drogas; palhaços e, principalmente a figura do coringa são associados a roubo e morte de policiais; e o papa-léguas aos aviões, mais frequente em entregadores de mercadores que fazem o transporte de droga. São inúmeros tipos, mas normalmente essas figuras estão construídas de forma sinistra”.

Mais Notícias